segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

I - INTRODUÇÃO

Esta pesquisa abordará a necessidade do professor ter sempre em mãos o planejamento, mostrando a importância de conhecer sua turma, bem como os métodos que se deve utilizar para planejar; por que ele deve estar presente; com que frequência se deve planejar e diante de quais situações, o professor deve fazê-lo?
Muitos cursos e reuniões discutem e afirmam sobre a importância de se planejar na educação infantil, porém, poucas coisas mudaram e o planejamento ainda está vago.
Percebe-se a recusa em planejar ou mesmo o pouco preparo que os professores possuem. Dessa forma o planejamento deve amparar as necessidades do professor atendendo à demanda da sala e facilitando a prática pedagógica.
Diante dessa realidade, nota-se a necessidade de expor como o planejamento facilita o trabalho do docente, e que ele veio auxiliar o profissional da educação infantil, de forma que possa transmitir conhecimentos teóricos e não apenas ensinar como a criança deve agir em sociedade.
Por isso, o profissional deve estar capacitado para poder equilibrar esses dois âmbitos, e socializar o cuidar com o educar.
Os autores MENEGOLLA & SAN’T ANNA (2003), abordam essa temática em seu livro “Por que planejar? Como planejar?”, e no discorrer deste artigo abordaremos os pontos de vista que os autores trazem, de forma que poderá auxiliar o trabalho dentro da educação infantil no dia a dia.

II – APRENDENDO SOBRE A IMPORTÂNCIA DE PLANEJAR

O livro Fundamentos da Educação Infantil da autora Luciana de Luca Dalla Valle (2010), cita:
A constituição promulgada em 1988 lançou uma visão diferente da que havia a cerca do atendimento a crianças pequenas: opondo-se a visão tradicional de favor prestado às classes menos favorecidas e de período preparatório, a creche passou a ser reconhecida como uma instituição educativa, um direito da família e um dever do estado.
         (DALLA VALLE, 2010 p.33)
A partir da promulgação de 1988, o educador viu a necessidade de planejar seu dia a dia, surgindo questionamentos sobre a sua importância, ou seja, para que se deve planejar. Alguns profissionais acreditam que esta prática é desnecessária vendo dificuldade em desenvolvê-la, questionando como se alcança aquilo que deseja, qual o melhor caminho para seguir.
Os autores Menegolla e Sant’ Anna (2003) dizem que: “Pensar o dia a dia é planejar a nossa ação para atingir os nossos desejos”, dessa forma podemos tornar nosso trabalho mais satisfatório, planejando a partir das necessidades e urgências que se nota na realidade, prevendo uma ação que se realizará depois, utilizando diversos recursos adaptados à situação. Esses recursos são decididos diante dos seus objetivos. Devemos incluir em nosso planejamento as urgências da realidade, estabelecendo critérios e princípios de avaliação, definindo prazos e etapas para sua execução.
Planejar o processo educativo é planejar o indefinido, porque a educação não é um processo, cujos resultados podem ser totalmente pré-definidos, determinados ou pré-escolhidos, como se fossem produtos decorrentes de uma ação puramente mecânica e impensável. Devemos, pois, planejar a ação educativa para o homem, não lhe impondo diretrizes que o alheiem. Permitindo com isso, que a educação ajude o homem a ser criador de sua história.
      (MENEGOLLA & SAN’T ANNA, 2003 p. 25)
O planejamento deve propor o crescimento do aluno, fazendo com que saia da rotina e desenvolva sua originalidade, sem restringir o potencial da pessoa e sem interferir nas suas atitudes e escolhas. Os autores citam que:
Segundo a UNESCO (1968), seria melhor começar por dizer o que não é planejamento educacional. Não é uma panacéia miraculosa para a educação e para o ensino que sofrem males; não é uma formula mágica para todos os problemas; não é, também, uma conspiração para suprimir as liberdades dos professores, administradores e estudantes, nem um meio para grupos decidirem sobre objetivos e prioridades da educação e do ensino.
                              (MENEGOLLA & SAN’T ANNA, 2003 p. 28)
A educação como um processo, não pode ser desenvolvida isoladamente, sem metas ou caminhos que a direcionem, sendo que ela conduz o homem para sua plena realização. Somente com a elaboração do planejamento podemos saber como atingir tais objetivos apresentados na educação. O planejamento está sempre em processo de evolução e readaptação sendo reformulado quando notar-se falhas. A escola é vista como a instituição que faz mais planejamentos, sendo ele de ordem de comando. Mesmo sabendo-se da importância, planejar por planejar se tornou a verdadeira realidade escolar, porém se observa a mesma rotina, pois alguns planejamentos não trazem mudanças para a instituição de ensino.
Menegolla & San’t Anna (2003) dizem que: “Planejar se tornou uma moda didática pedagógica. Professores que não planejam são considerados desatualizados e antiquados ou não conhecedores da educação e do ensino modernos”. Toda instituição deve ter planejamentos que se adaptem ao contexto que seus alunos estão inseridos e de acordo com as disciplinas e conteúdos, determinando as urgências apresentadas em sala de aula. Porém, a maior dificuldade que se tem, é a recusa de alguns professores para a realização do planejamento. Alguns afirmam que o dia de planejar é um dia perdido e que esse ato serve apenas para encher a gaveta de papéis. Encontram-se também professores que não sabem planejar suas atividades ou os que têm fraco apoio para desenvolver seu planejamento, pois seus supervisores exigem, mas não sabem fazê-lo deixando os professores inseguros e dessa forma, o planejamento se torna um peso.
O livro estudado aborda o planejamento participativo, que é a nova visão que se pretende dar ao processo de planejamento, principalmente no setor da educação. Desta forma, planejar é um ato participativo e comunitário e não uma ação individualista.

“Planejar sem a participação direta dos que vão sofrer a ação do plano só acontece quando estes são seres inanimados ou passivos e sem capacidade própria para tomar decisões”.
(MENEGOLLA & SAN’T ANNA, 2003 pág.62)

III – QUAL A VISÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DO PLANEJAMENTO ESCOLAR?

Diante dos dados obtidos, pode-se perceber que os professores conhecem a importância de planejar sua aula de forma que eles possam atuar com mais segurança; sabendo como a aula irá acontecer, chegando-se à sala, preparado para a aplicação da mesma.
Afirmam que o professor que não tem em mãos seu planejamento, não sabe como a aula irá discorrer e dessa forma não alcança seus objetivos e nem atende às necessidades de aprendizado do aluno.
Alguns professores não encontram dificuldades para planejar, porém, procuram fazê-lo com muito cuidado e pesquisa para que o conteúdo trabalhado seja bem desenvolvido, atendendo a demanda da classe. Outros professores encontram dificuldades para planejar devido a falta de horário dentro da instituição e dessa forma, tem que abrir mão do tempo com a família para planejar em casa.
Na educação infantil, alguns profissionais sabem da importância do planejamento, mas por se tratar de crianças da primeira infância, o cuidar ainda tem peso maior, porém com estudos e conversas conseguiremos colocar o cuidar e o educar na mesma proporção.
Assim, a aplicação do planejamento acontece de acordo com o que foi preparado, sendo flexível a partir da realidade encontrada e que os profissionais da educação estão cientes sobre as necessidades de pesquisar e utilizar recursos diversos para planejar.

IV – CONCLUSÃO

Com esta pesquisa percebi que a recusa em planejar existe, porém, são raros os casos encontrados. Os professores sabem e sentem a necessidade de planejar sua rotina, fazendo aperfeiçoamentos e pesquisas para sanar as dificuldades da classe.
Acredito que alguns professores não se familiarizam com o planejamento devido ao pequeno tempo ofertado por algumas instituições para que planejem ou até mesmo a falta de horário para planejar; e dessa forma, alguns planos de aula não atendem às demandas da classe, prejudicando o aprendizado.
Conclui-se então, que o planejamento deve estar de acordo com o nível da sala, sem precisar ser algo sofisticado, onde o professor não domine e que torne seu trabalho insatisfatório, transmitindo para seus alunos a sua insegurança.
  
V – referências bibliográficas

MENEGOLLA, Maximiliano & SAN’T ANNA Martins, Ilza. Por que planejar? Como planejar? Petrópolis, 2003.

DALLA VALLE, Luciana de Luca. Fundamentos da Educação Infantil. Curitiba, 2010.

QUESTIONÁRIO UTILIZADO NA PESQUISA
(Pesquisa desenvolvida com quatro profissionais da educação de diferentes instituições)

1 – COMO O PLANEJAMENTO ESCOLAR AUXILIA NO TRABALHO DOCENTE?

R: o planejamento direciona, faz com que o professor atue com mais segurança, pois não tem como trabalhar sem antes fazer um planejamento do que será trabalhado e como será trabalhado. O planejamento auxilia no direcionamento, segmentação, organização e seqüência da rotina de aula, de forma que possa ir preparada para a execução da mesma.

2- EM SUA OPINIÃO, QUAL A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO?

R: Professor que vem para a sala de aula sem planejamento é como se estivesse fazendo um bolo sem receita, corre o risco de deixar algum ingrediente para trás, e o bolo perderá aquela essência. Na aula acontece o mesmo, o planejamento é a receita da sua aula, os passos no qual você terá que seguir para ter sucesso na realização da aula.Não que o planejamento tem que ser seguido rigorosamente, tem que contemplar um planejamento flexível para atender às necessidades do nosso aluno. Na área docente tem sempre que haver um planejamento, pois não tem como avaliar, alfabetizar alguém sem que não se tenha nada planejado, sendo importante na medida em que oriente à prática do professor, planejando de acordo com a necessidade do meu aluno e também trazendo segurança.

3 – COMO O PLANEJAMENTO ACONTECE DENTRO DAS INSTITUIÇÕES PESQUISADAS?

R: Uma vez por semana cada professora tem uma hora para planejar.
O planejamento acontece semanalmente.
O planejamento não acontece dentro da instituição, pois não é ofertada hora atividade, cada professor planeja em casa ou às vezes, quando não tem pais para atender planeja durante a aula especial que seus alunos têm, isto é, uma hora por semana.
4 – QUAIS DIFICULDADES VOCÊ ENCONTRA AO PLANEJAR?

R: Vejo que as professoras têm dificuldades em encontrar materiais a serem pesquisados para o planejamento, pois a idade na qual trabalhamos existem poucos livros, agora que começamos a investir na aquisição de livros para esta finalidade.
Não são propriamente dificuldades, mas sim cuidados e muita pesquisa para que o conteúdo a ser trabalhado seja bem desenvolvido para atender as necessidades dos alunos.
Uma das maiores dificuldades é ter que abrir mão do meu tempo com a família para fazer planejamento e atividades em casa.

5 – EXISTEM PROFESSORES QUE AFIRMAM QUE O PLANEJAMENTO É DESNECESSÁRIO, INÚTIL. QUAL SUA VISÃO DIANTE DESTA ANÁLISE?

R: Não nesta ordem, alguns profissionais sabem da importância do planejamento, mas por se tratar de crianças da primeira infância, o cuidar ainda tem peso maior do que o educar, mas aos poucos com muitas conversas e estudos estamos conseguindo melhorar este quadro colocando o “cuidas e o educar” na mesma proporção.
Inútil seria um professor nunca querer aprender mais além de seus conhecimentos, achando que já sabe tudo. Tem que haver o planejamento sim em tudo o que se pretende fazer principalmente em sala de aula.
Acredito que é muito importante o professor entrar na sala com tudo preparado, pois assim não perde tempo e nem fica perdido sem saber por onde começar a aula, improvisando.
Não concordo; acho o planejamento fundamental, pois ele te dá pré-requisitos para uma aula de qualidade.

6 – COMO VOCÊ APLICA SEU PLANEJAMENTO?

R: O meu planejamento sendo direcionado aos profissionais para atingir de forma indireta na criança, procuro auxiliá-las de acordo com o que elas pretendem trabalhar. Quando não obtenho resultado desejado, vou para sala de aula e auxilio na execução das atividades.
É aplicado durante a semana. Cada dia tem o seu planejamento, independente do assunto que é abordado.
Organizando atividades dos conteúdos das disciplinas e garantindo a aplicação em sala de aula.
Aplico meu planejamento de acordo com o que foi preparado, mas ele é flexível.

7 – QUAIS OS RECURSOS QUE VOCÊ UTILIZA PARA PLANEJAR?

R: Materiais didáticos, internet e outros.
Livros, revistas, internet entre outros.
Planejamento anual dos conteúdos, livros para pesquisa, computador (internet)...
Internet, apostila (material didático usado pela instituição) e livros de pesquisa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário